Sintonia Online

Ponta Grossa – Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora – 16/04/2015 – Presença Salesiana completa 50 anos em Ponta Grossa.

Ponta Grossa – Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora – 16/04/2015 – Presença Salesiana completa 50 anos em Ponta Grossa.

Em comemoração aos 50 anos da presença Salesiana em Ponta Grossa/Paraná, a paróquia Nossa Senhora Auxiliadora realizou um “Oratório Festivo” na tarde de sábado, 16/04, que contou com mais de 300 jovens. À noite, foi realizada uma missa em ação de graças pela presença, presidida pelo diretor salesiano na cidade, P. José Rodolpho Hess e co-celebrada pelo pároco P. Leo Kieling, pelo vigário paroquial P. Sebastião Alaertes Bueno de Camargo, além do P. Clayton Adriano Delinski Ferreira (Coordenador Diocesano da Ação Evangelizadora e representante da Diocese de Ponta Grossa na celebração).

Durante a celebração, P. José Hess relembrou alguns momentos marcantes destes 50 anos e enfatizou a figura do “Bom Pastor”, marcante na vida dos salesianos e imagem de Cristo que norteou os trabalhos salesianos nestes 50 anos. Pe. Clayton, representando o Bispo Diocesano Dom Sergio Arthur Braschi (que estava ministrando duas celebrações do Crisma na mesma data) agradeceu o trabalho realizado e enfatizou a importância do trabalho salesiano com os jovens da cidade. Após a celebração, houve uma festa para convidados e, durante a mesma, Dom Sergio Arthur Braschi passou, abençoou os presentes e agradeceu aos salesianos atuais e aos que já passaram por esta obra.
Um pouco da história da presença salesiana em Ponta Grossa:

O primeiro salesiano que aqui chegou foi o P. Tobias Schmitz, em 13 de abril de
1966, sendo Reitor .Mor da Congregação Salesiana o P. Luigi Ricceri e Salesiano o P. Mário Quilici. Padre Tobias veio especialmente para cuidar da construção do Colégio Josefino, que depois se tomou o Instituto Assistencial São José, que abrigou por muitos anos o Seminário Salesiano e a Escola Dom Bosco.

Em 13 de fevereiro de 1968 chegou o P. Dário Bertoldi, provindo de Bagé, RS, que em 25 de fevereiro do mesmo ano assumiu a capelania do Núcleo 31 de Março.
Em 17 de março de 1972 Dom Geraldo Micheletto Pellanda, CP, bispo diocesano, criou a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, desmembrando-a das Paróquias Imaculada Conceição e do Senhor Bom Jesus. Em 02 de fevereiro de 1975, Dom Geraldo Pellanda procede à benção da pedra fundamental da matriz Nossa Senhora Auxiliadora.
Nos anos de 1975 a 1990, também funcionou um Seminário de Segundo Grau para os aspirantes à vida Salesiana, da Inspetoria Salesiana São Pio X.

Atualmente, a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora se compõe de oito comunidades: Nossa Senhora Auxiliadora (Vila Marina – Matriz), São Pedro (Vila Mariana), São João Bosco (Jardim Brasil), Nossa Senhora Aparecida (Núcleo 31 de Março), Nossa Senhora da Glória (Núcleo Rio Verde), São Domingos Sávio (Núcleo Pitangui), Nossa Senhora do Rocio (Núcleo San Martin) e Santa Paulina (Núcleo Lagoa Dourada).

A Paróquia está localizada na região Nordeste da cidade de Ponta Grossa, na periferia da mesma, e conta com uma população estimada em 40.000 habitantes, sendo aproximadamente 20.000 católicos.

A realidade de nossa Paróquia:

A Paróquia de Nossa Senhora Auxiliadora apresenta as características próprias das demais regiões de Ponta Grossa.

1.Aspecto social:

No aspecto social, esta Paróquia apresenta as seguintes características: população de classe média/baixa, nem todos com moradia. Há uma bem organizada assistência às crianças através da Pastoral da Criança.

2.Aspecto político:

Vê-se que falta investimento dos responsáveis pela melhoria de condições de vida da população, que pode ser resultado da falta de recursos financeiros necessários pra atender os anseios da população. Há certo grau de descrédito e desconfiança com relação às autoridades políticas. Há falta de motivação política entre o povo. A Igreja e as Escolas tem preocupação pela formação de uma consciência política.

3. Aspecto econômico:

Há muito desemprego. Há muita procura de cursos profissionalizantes, mas faltam escolas técnicas em número suficiente para atender a demanda. A renda da população de nossa paróquia, em uma visão geral, é baixa. Boa parte dos moradores no território da paróquia tem o mínimo para sobreviver, e há alguns focos de favelas.

4. Aspecto cultural:

No território da paróquia há boas escolas, estaduais, municipais e uma escola particular de grande porte. Vê-se bastante evasão e desistência escolar. Chegam poucos ao ensino superior. Há uma Universidade Pública Estadual e três ou quatro outras faculdades particulares da cidade. Como é de momento, a busca por cursos na área da informática é muito grande. As famílias participam pouco da Escola, contentando-se em enviar os filhos para que nela adquiram a cultura e o conhecimento necessários para a vida.
5. Aspecto religioso:

Do ponto de vista religioso, constata-se que a maioria da população é católica. Há mais de vinte igrejas de outras confissões, algumas muito atuantes e proselitistas, chegando a colocar à disposição veículos para levar os católicos para suas igrejas. Há pouco espírito de ecumenismo.
A paróquia tem uma catequese bem organizada, atendendo aproximadamente 1.300 crianças e adolescentes de primeira Eucaristia e de Crisma. Anualmente são realizadas duas centenas de crismas e outras tantas Primeiras Eucaristias. Contamos com uma grande dedicação de numerosos (as) catequistas para este serviço. Talvez se possa caminhar para que tanto a Catequese como as Celebrações Litúrgicas produzam mais efeitos na vida dos fiéis. Numerosos adolescentes, após a Crisma, deixam de participar e de atuar na igreja. O povo é muito sensível a tradições piedosas: procissões, terço, devoção mariana, outras devoções populares, peregrinações a santuários mais ou menos acessíveis como Aparecida e Santa Paulina. Em geral os que participam da Igreja mostram muito empenho e interesse. Com os afastados não se faz um trabalho consistente. São muito bem organizados os cursos de preparação para o Batismo (todos os meses), os cursos de Noivos (dois por ano), de legitimação matrimonial (dois por ano). Em cada comunidade há uma dezena ou mais de grupos, chamados pastorais propriamente ditas, movimentos ou associações, que de mãos dadas tem uma atuação muito forte e consistente. Depois de uma bela caminhada, as oito comunidades contam com um bem organizado Conselho Pastoral da Comunidade (CPC), e a Paróquia como tal conta com um atuante Conselho Pastoral Paroquial (CPP).

 

Matéria: Jackson Rodrigo Eidam

Correção: Maria Cristina Piotrovski

 

Mais fotos, vídeos e informações paroquiais acessem: http://pgpnsa.blogspot.com

Galeria de Imagens
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>