Noviciado realiza o primeiro retiro do ano

Nessa última semana (11 a 16 de fevereiro de 2019), aconteceu o primeiro retiro com os noviços, apresentando o espírito religioso para viverem bem esse ano e toda a sua vida religiosa. Aconteceu em Rondinha, Campo Largo/PR, na Casa de Retiro Santo André das irmãs de Santo André.

Os temas expostos pelo pregador Padre Carlos Galhardo, sdb, permitiram os noviços refletirem sobre a vocação, o seguimento de Cristo no carisma salesiano, a vida cristã, os votos religiosos, a devoção a Maria, entre outros. “Ao iniciar o ano do noviciado, o Retiro Espiritual adquire uma singular importância, uma vez que é nesse espaço de tempo onde nos colocamos diante de Deus e diante de nós mesmos, a fim de que possamos criar as bases espirituais necessárias para corresponder fiel, consciente e livremente ao projeto de vida que nos propomos a abraçar.” – Diz o noviço Giovanni de Lucena Morais, e continua – “Esse momento de silêncio e confronto da Palavra de Deus com as nossas vidas é sempre singular e renovador, verdadeiro tempo de graça onde o Espírito Santo toca os nossos corações e nos impulsiona a seguir os passos de Jesus e, portanto, responder ao seu chamado com generosidade de coração. Para isso, nos colocamos também sob a proteção materna da Virgem Maria, Auxiliadora dos Cristãos e de São João Bosco, cujo testemunho nos inspira nesse seguimento de Jesus.”

A vida religiosa é um projeto de vida que sempre haverá aspectos para aprofundar, por toda a vida do religioso. O noviço Wilbertty Silva expressa como foi importante as reflexões propostas: “Para mim o retiro foi muito importante, pelo fato de nós noviços estarmos conhecendo essa nova etapa que é o noviciado, tempo de imersão total  na vida espiritual e também nos escritos do nosso fundador, São João Bosco. O retiro me ajudou a compreender o que é um noviço, que quer dizer sem vícios, um tempo de desconstrução total para formar o ser religioso Salesiano. Tivemos a oportunidade de entender detalhadamente os três votos que iremos professar: obediência, pobreza e castidade. Não são votos fáceis de se viver, exige de nós um sim diário e mais ainda, o auxílio do espírito santo para alcançar tais graças. Estar em retiro foi um tempo de graça e aprendizado, porque ser religioso é uma vida exigente, mas, mais do que isso é ter o “brilho” no olhar, que cativa a todos que estão ao nosso redor.”